sexta-feira, 17 de junho de 2011

GIOVANA, UMA CALABRESA NA COZINHA...


Já falei aqui que não tenho a mínima intimidade com a minha cozinha, nela só sei onde ficam a geladeira e o micro-ondas (sempre digo isso, parece até que tenho orgulho, mas não tenho).

Isso não é bom, mas o que fazer? Sim, só o que tem a fazer é contar com a sorte de aparecer alguém, assim do nada, entrar na minha cozinha e fazer alguma coisa bem gostosa para saciar os desejos do paladar. E foi exatamente o que aconteceu... Ô garotinha de sorte, eu!

Há três dias recebi a visita de uma amiga que já não via há muito tempo. Ela veio a Niterói tratar de documentos e aproveitou para se hospedar aqui.
Somos amigas desde a escola primária e depois que ela casou, literalmente mudou... Foi morar em Belo Horizonte e por lá fez com que a família crescesse com duas filhinhas lindas e que tem a cara dela.

Bem, como eu ia dizendo... Giovana chegou aqui em casa praticamente sem avisar (avisou meia hora antes por telefone) e dizia ter muita fome, pois chegou cedo para resolver sua papelada e mal parou para um lanchinho. Ela sabe que sou desconhecida do meu próprio fogão e, após cumprimentos e algumas risadas, ela invadiu minha cozinha e se prontificou a fazer a janta.

Giovana, com toda a habilidade de uma dona de casa e descendente de calabreses, fez uma macarronada daquelas de deixar qualquer italianão tradicional babando de desejos. Nossa, gente! Comi e comi muito... Acho que não comia assim há muitos anos. Exagerei em tudo, no molho, no macarrão, no refrigerante...


Percebi logo o meu extra-peso, me sentia com 100 kg, trinta e poucos a mais do meu peso normal.

Até a minha gatinha Lilica estranhou minha voracidade pra comer, parecia que eu não comia há dias...

Mas como tudo que é bom dura pouco, Gio se foi... Pena que ela foi logo cedo do dia seguinte. Mas como eu não sou boba, fiz com que ela deixasse uma macarronada bem ao estilo "caprichada" no freezer, prontinha para escorregar para o fundo do micro-ondas no próximo domingo...

Olha! Pela cara deve estar muito mais gostosa que aquela delícia que comemos juntas.

Sabiam que eu já estou com saudade da Gio? 



quinta-feira, 9 de junho de 2011

LILICA, ME CUIDA...



Costumo dizer que os animais são amigos de verdade e jamais aceitei o termo “irracional” para classificá-los.
Ontem cheguei em casa com uma bruta dor de cabeça, acho que por causa da postura física durante o trabalho, passo o dia curvada sobre a prancheta ou diante do computador e isso me deixa constantemente com dores na cabeça ou costas.
Para aliviar, amigos me aconselharam exercícios específicos e evitar muitas horas nessa posição, mas como evitar se o ofício exige?
Bem, voltando aos animais... Ao chegar em casa só queria deitar e dormir, tomei um banho bem quentinho e me joguei na cama a espera do tão desejado sono, mas ele não vinha de jeito nenhum, ainda mais com as dores que pareciam aumentar.
Minha gatinha Lilica parecia ter percebido alguma coisa diferente e se postou no chão ao lado da cama e começou a miar, miava diferente do normal como se estivesse me chamando. Lembrei que não havia falado com ela e que talvez ela estivesse me cobrando um “boa noite” pelo menos... E era, era exatamente isso que ela estava reclamando, era essa atitude que ela cobrava, aí eu levantei e comecei a andar pela casa com ela me seguindo, ora a pegava no colo, ora ela vinha pelo chão, mas caminhando sempre juntas, eu estava quase tonta com o curto percurso e o vai e vem contínuo, ela em nenhum momento parou para pensar na gaiatice de ficar pra lá e pra cá, aquilo parecia fazer bem a nós duas e sem perceber, eu estava fazendo ao mesmo tempo o tal exercício que precisava e a liberação do pensamento daquilo que antes parecia apertar meu cérebro. Eu estava simplesmente atendendo ao pedido e seguindo as orientações da minha gatinha, que não deixou por menos quando foi ao meu quarto me chamar em tom reclamatório.
No final eu já corria atrás dela, ela se escondia embaixo dos móveis e eu a procurava como uma criança brincando de esconde-esconde...
E a horrorosa dor de cabeça? Sei lá, acho que se perdeu no vai e vem da nossa caminhada. 
Já percebi algumas vezes o sentido a mais que tem os animais, o poder de percepção e a virtude de empenhar-se para atender nossas solicitações ou necessidades, já percebi isso em todos os animais que já tive desde criança. Por isso atribuo a Lilica a melhora daquele dia, onde ela percebeu, me chamou e se prontificou a me acompanhar ou ajudar a superar o dor que me atormentava.
Obrigado Lilica... Te amo!

domingo, 5 de junho de 2011

DUAS A ESPERA DO PRÍNCIPE ENCANTADO



No meu simples “apertamento” tem dois habitantes, eu e uma linda gatinha, minha companheira de todas as noites e que me escuta sem dizer nada quando me lamento, me vê chorar quando estou muito triste ou se assusta quando dou gargalhadas por estar bem alegre e feliz. Bem que ela me faz companhia, assiste televisão ao meu lado e se aconchega aos meus pés quando me jogo no sofá da sala. Acredito que quando não estou durante o dia ela passa dormindo, pois durante a noite nunca dorme.
Dificilmente saio nos finais de semana, prefiro descansar, escutar músicas ou debruçar na minha prancheta e esboçar algumas idéias, além é claro, de navegar por esse mundo através da internet, onde reencontro amigos e procuro idéias que ajudem nas minhas criações.
Essa é uma rotina em que eu me encaixo bem e dela só saio se aparecer um príncipe encantado que me leve, juntamente com a minha gatinha Lilica, para um castelo igualmente encantado, e até o dia em que ele apareça, eu e Lilica seguiremos nossas vidinhas aqui mesmo nesse apezinho.
Somos fãs dessas estórias, por isso nos encantamos com essa possibilidade embora saibamos muito bem que há exagero nos nossos sonhos, mas bem que poderia não haver...

sábado, 4 de junho de 2011

TEM MULHERES DO TIPO ASSIM E MULHERES DO TIPO ASSADO


Chegar do trabalho e rapidamente alcançar o fogão não é, definitivamente, a coisa que eu gosto de fazer...
Não tenho habilidade na cozinha, sou ceguinha em se tratando de temperos, nunca sei o tempo certo de cozimentos dos alimentos, em fim, lá não é meu lugar.
Gosto muito do meu trabalho, das minhas criações. Sou fã dos resultados que alcanço e sei exatamente o que significam para mim.
Acredito que muitas outras mulheres veem a vida dessa forma e da cozinha, só querem o que sai de lá.
Nunca permaneci muito tempo diante do fogão e só faço o básico do básico, o suficiente para me alimentar e não ter que passar a noite, visitando a geladeira de hora em hora, por razões óbvias.
Meu lado dona de casa se limita a passar a vassoura de um lado para o outro e contar os dias até que a minha secretária venha em meu socorro. Também é ela que me deixa algumas coisas prontinhas no congelador para que eu jogue no micro-ondas e deguste juntando ao suplemento que preparo ocasionalmente e sem compromisso.
Não me encaixo na qualidade de mulher com megawatts de potência e ergue a bandeira de quem trabalha fora de dia e a noite se transforma na rainha do lar, mãe e esposa, cuidando inclusive do marido, dos filhos, do marido, das coisas deles, do marido, da casa e por fim, do marido de novo. Todas essas atribuições "do lar" geralmente são realizadas pela manhã ao acordar e a noite antes de se deitar para dormir.
Dentro de casa me reservo ao direito de só executar o que sei, do contrário, agindo como uma mulher multifuncional, acho que desmontaria já na primeira tarefa.
Admiro muito essas mulheres polivalentes. Minha querida mãe que é assim...


Pensar e Falar...: QUE VERGONHA! RIO VIVENCIA ATENTADO AOS PACÍFICOS GREVISTAS BOMBEIROS

Pensar e Falar...: QUE VERGONHA! RIO VIVENCIA ATENTADO AOS PACÍFICOS GREVISTAS BOMBEIROS